Futebol

Portuguesa estreia na Copa Paulista com vitória sobre o Juventus

A Portuguesa estreou com vitória na Copa Paulista deste ano, ao superar o Juventus por 2×1, no estádio do Canindé. O confronto começou agitado antes mesmo da bola rolar, quando a Lusa passou por problemas para fechar sua lista de inscritos e, consequentemente, os que iam ao jogo. Mesmo assim, com gols de Queven e Felipe Souza a rubro-verde garantiu os três pontos e a liderança do grupo, ao lado do Atibaia.

Com uma equipe repleta de novidades, o técnico Fernando Marchiori escalou como titular nomes conhecidos da torcida como Thomazella, Lenon, Diego Jussani, Gilberto Alemão e Tauã; além de atletas que tiveram poucas oportunidades como Wellington Reis, Queven e Felipe Souza; somando-se a eles, jovens da base como Marco e Rickson.

Mesmo com um time diferente, a Portuguesa mandou no primeiro tempo do jogo, criando muitas oportunidades. Na primeira delas, Rickson recebeu lançamento na ponta esquerda e cruzou na medida para Felipe Souza, de cabeça, desviar e obrigar André Dias a fazer a defesa.

Cesinha, após tabela com Tauã, exigiu elasticidade do goleiro do Juventus. Queven, após passe de Rickson, finalizou cruzado com perigo, mas pela linha de fundo. Pela direita, Lenon chegou com precisão e fez um cruzamento na medida para Queven desviar de cabeça, rente à trave direita de André Dias, que apenas olhou.

De tanto pressionar, o gol da Lusa era questão de tempo e aconteceu da maneira mais diferente possível. Aos 25 minutos, Marco cruzou da linha de fundo, Felipe Souza desviou de cabeça e a bola sobrou para Cesinha que chutou cruzado e Juan salvou em cima da linha. Porém, ao tentar tirar, chutou em cima de Queven que chegava para conferir o rebote e acabou por abrir o placar.

Mesmo em vantagem a rubro-verde não se acomodou e seguiu pressionando. Empolgado com o gol, Queven arriscou um tiro forte de fora da área, mas a bola saiu pela linha de fundo. Se não saiu dessa vez, o segundo gol não tardaria a acontecer.

Após roubada de bola de Wellington Reis, Queven recebeu pelo lado esquerdo e tocou no meio para Felipe Souza. O meio-campista só ajeitou e mandou um petardo de pé canhoto no ângulo direito alto de André Dias que nada pôde fazer. Foi um golaço que ampliou a vantagem rubro-verde no Canindé, aos 35 minutos.

A volta do intervalo trouxe também um jogo diferente do que foi o primeiro tempo, amplamente dominado pela Portuguesa. Se na etapa inicial o goleiro Thomazella foi um espectador, tudo mudaria nos 45 minutos finais.

Após bola recuperada no campo de ataque, Rad chuta cruzado e Thomazella defende. Porém, no rebote, a sobra ficou para Bruninho que só escorou e diminuiu o marcador para o Juventus, aos seis minutos.

Conforme o segundo tempo corria, a Portuguesa começava a sentir bater o cansaço de quem chegou de viagem menos de 24 horas antes da partida. Foi neste momento que o Juventus começou a crescer e a ameaçar a vitória que parecia certa para a rubro-verde.

Pouco depois do gol, Negueba por pouco não conseguiu o empate após cruzamento de Rad. A bola sobrou para o lateral juventino dentro da área e, em chute cruzado, o desvio quase matou Thomazella que conseguiu, com reflexo, desviar e salvar a meta rubro-verde.

Com apenas três opções de linha no banco de reservas, Marchiori não se furtou em utilizar os jovens Hudson, Deivid e Igor Bahia para dar gás novo ao time da Lusa. Mesmo assim, o Juventus conseguiu mais um lance de perigo.

O goleiro rubro-verde operaria novo milagre após cobrança de falta dentro da área, Juan subiu de cabeça e testou no canto direito baixo, obrigando Thomazella a se esticar para salvar novamente o que seria o gol de empate.

Com o apito final e os três pontos garantidos, a sensação de alívio de estrear com o pé direito na competição que tem a Lusa como atual campeã. Sem descanso algum a rubro-verde volta a campo em dois dias seguidos, na sexta (17) visita o São Caetano, pela Copa Paulista. No sábado (18) recebe o Caxias, pelo Campeonato Brasileiro. É a maratona da Lusa que atua em duas frentes na temporada.