Futebol

As verdades do dia 1º de Abril na história rubro-verde

O primeiro dia do mês de Abril é conhecido como o dia da mentira. Na história do futebol da Portuguesa de Desportos, não é bem assim. Voltamos no tempo e encontramos verdadeiras e importantes vitórias da Lusa na referida data.

Em 1979, ensolarada manhã de domingo, no Canindé, a Portuguesa derrotou o São Bento, por 3 a 0, com gols de Enéas, Eudes e Camargo. Jogo que a formação rubro-verde orientada por Osvaldo Brandão se apresentou com Moacir, Marinho, Pradera, Arouca e Nelsinho, Daniel Gonzalez, Wilson Carrasco e Eudes, Tata, Enéas e Alcino. Durante a partida, entraram Bolivar e Camargo.

Em 1984, a Portuguesa goleou o Brasil de Pelotas, por 4 a 1, no Estádio Dr.Oswaldo Teixeira Duarte, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro daquele ano. Goleada aberta com um gol de Tite e ampliada com gols de Marinho Rã, Leíz e Gerson Sodré. O técnico José Poy escalou Éverton, Mauro Campos, Zéquinha, Leíz e Odirlei, Beto, Heriberto e João Batista, Marinho Rã, Ramirez e Tite. Ainda jogaram Gerson Sodré e Jorginho, que substituíram Ramirez e Tite.

Já em 1998, a Lusa foi à cidade de Matão e no Estádio Hudson Buck Ferreira venceu a Matonense, por 2 a 1. Nessa época, o time foi dirigido pelo técnico Candinho. Os gols foram marcados pelo zagueiro Marcelo Miguel e o volante Simão. A representação da Capital foi escalada com Fabiano, Alexandre Chagas, César, Marcelo Miguel e Augusto, Alex, Carlinhos, Alexandre e Evandro, Leandro Amaral e Evair. Sendo que Ailton, Fabrício e Simão entraram durante o jogo.

Em 2001, a Lusa conquistou a vitória diante do Rio Branco de Americana, por 4 a 3, tarde de muitos gols no Canindé. O time vencedor jogou com Carlos Germano, Mancini, Emerson, Tinho e Rochinha, Sandro Fonseca, Élson e Marquinhos, Hernani, Lúcio e Ricardo Oliveira. Sendo que Souza entrou no lugar de Hernani. O técnico foi Candinho e os gols foram anotados por Ricardo Oliveira (2), Mancini e Élson.

Um pouco da verdadeira trajetória rubro-verde no considerado dia da mentira.

Obrigado

Antonio Quintal